ENCONTRE-NOS

Rua das Cerejeiras, 411

Carvoeira - Florianópolis, SC
info@fitzz.com.br

Telefone:    (48) 3233-5692

Whatsapp: (48) 991108989  

33447.png

ACOMPANHE

  • Preto Ícone Facebook
  • Instagram
  • YouTube

© by FITZZ. Todos direitos reservados.

Perguntas Frequentes

01

 

Depende muito da forma de como será o passeio. Basicamente, a capacidade da bateria depende da Amperagem (Ah), Voltagem (V) e do tipo (Lítio ou Chumbo). Multiplicando Ah com V temos sua capacidade. Na bateria de chumbo, também chamada de "gel" ou "selada") se percebe uma perda de 30% da capacidade utilizável por causa do efeito Peukert.

Exemplos:  11 Ah x 36 V - Bateria de Lítio=> 396 Wh útil.

                    10 Ah x 24 V - Bateria de Lítio=> 240 Wh útil.

                    12 Ah x 36 V - 30% (efeito Peukert no caso de bateria de Chumbo / selada /gel)=> 303 Wh

Com 360 Wh é comum se dizer  que percorre 35 km de distância, porém,  dependendo da maneira como se pedala, pode chegar a 80 km de distância.

Adoraríamos conversar mais a respeito e citar exemplos mais práticos, entre em contato por telefone ou e-mail que teremos prazer em explicar mais!

A Fitzz possui baterias de 11Ah/36V e 9Ah/36V. Todas de Lítio. Existe muita variação na qualidade de células de lítio, havendo inclusive algumas bem ruins.  Talvez por isso que muitas outras marcas não querem dar 1 ano de garantia.

Quanto tempo dura a bateria?

02

Quanto tempo demora para recarregar a bateria? E quanto custa uma recarga?

Não se preocupe com a conta de luz, uma recarga COMPLETA custa aproximadamente R$ 0,50. Nossas baterias de Lítio são carregadas em tomada normal e são bivolt. Uma recarga completa, dura em média 5 horas, não havendo problema em deixar a bateria por mais tempo na tomada.

03

Qual velocidade que a bike alcança?
 

Para termos como comparação: Uma pessoa pedalando sozinha produz 110 W ao andar a 20 km/h em uma bike comum, sem ser top de linha, e com certeza isso já irá fazer ela suar bastante.

Com a Fitzz, o motor ajuda o ciclista a alcancar 25 km/h, no pedal assistido, assim como na opção com o acelerador facultativo instalado. O cliente pode optar por velocidade máxima menor do que 32. (Veja pergunta 6 para contexto legal).

No caso do motor Fitzz (350W), o efeito aceleração em baixa velocidade é impressionante e por isso facilita muito a inserção no trânsito.

04

Posso andar com a minha e-bike na chuva?

 

As bikes Fitzz circulam normalmente na chuva. Tanto o motor quanto à bateria são resistente à água, ficando sujeitos a defeitos somente sob imersão.

05

É necessário pedalar? O que significa "pedal assistido"?

Diferente das bikes com bateria de chumbo e motor Direct Drive que chegam a pesar até 44kg, o kit Fitzz adiciona apenas 7,5kg a bicicleta, isso porque sua bateria é de Lítio e seu motor compacto. Sendo assim, pode se andar com o kit Fitzz desligado, pedalando normalmente, como uma bike comum.

O sistema de Pedal Assistido (internacionalmente chamado de PAS ou PEDELEC) detecta a pedalada e aciona o motor, dando o apoio escolhido. O apoio é escolhido no Display e possui 3 níveis: Leve / Médio / Forte.

Outro jeito de andar é fazendo uso do acelerador (de manete ou de dedo), como se fosse uma mini-moto. Mas fica à opção do usuário querer ou nao a instalação do acelerador que faz parte do kit da Fitzz.

Apesar do motor ser mais forte que a sua pedalada, configuramos o conjunto para manter o caráter de uma bicicleta, para que assim você possa andar nos mesmos lugares que andaria em sua bike comum.

06

O que diz a lei sobre minha bicicleta elétrica?

Definição de bicicleta elétrica equiparada à bicicleta convencional. Deve respeitar às restrições a seguir:

 

> Potência nominal máxima do motor até 350 W

> Velocidade máxima de 25 km/h (25 km/h é a velocidade máxima com apoio do motor. Acima disso tem liberdade de andar conforme bicicleta comum, sem apoio do motor, por exemplo em descida, ou com vento nas costas)

> Acionamento do motor: é obrigatório a utilização do sistema Pedal Assistido (sensor pedal) com motor acionado apenas pela pedalada do ciclista.

> Acelerador: proibição do sistema de acelerador manual.

 

Equipamentos obrigatórios:

 

> Indicador de velocidade

> Usar capacete de ciclista

> Espelhos retrovisores em ambos os lados

> Campainha (*)

> Sinalização noturna dianteira e lateral (*)

> Pneus em condições mínimas de segurança (*)

 (*) como para bicicleta convencional

 (resolução 465 do CONTRAN de 13/12/2013 com vigência nacional)

 

Bicicleta elétrica no padrão acima referida:

 

> são equiparadas às bicicletas convencionais

> devem andar nos mesmos lugares que bicicletas sem motor

> não necessitam de documentos do condutor (CNH)

> não necessitam de documentos do veículo

> não é exigido seguro

 

Caso sua bicicleta com motor não esteja no padrão acima referido, ela se torna ciclomotor. Por exemplo: velocidade acima de 25km/h, potência do motor maior que 350 W, presença de um acelerador.

 

Definição de Ciclomotor:

 

Bicicletas com motor elétrico que não obedecem às restrições acima referidas serão consideradas ciclomotores, assim como as motocicletas com cilindragem de 50cc.

 

Legislação ciclomotor:

 

Essa legislação é nacional, tanto com respeito à habilitação do condutor como ao registro do ciclomotor. Lembre que isso não vale para bicicleta elétrica, que é tratada como bicicleta convencional.

 

(A)- Habilitação do condutor : 

É exigida ACC (Autorização para Conduzir Ciclomotores) ou CNH na categoria A, emitida pelo Detran.
O procedimento muda de estado para estado. Sempre envolve provas teóricas e práticas. A tendência é que a ACC se obtém com menos custo do que a CNH na categoria A, por ter menos aulas. A prova é feita com um ciclomotor. A ACC dá direito de andar apenas com ciclomotor e não pode usar em motocicleta/moto.


Pela Lei Nº 13.281/2016 (Art. 162) tem que ter carteira. (lei de 4 de maio 2016 com vacância de 6 meses, entre em vigor 4/10/2016). Infração gravíssima, multa de mais do que R$ 880,41, a infração prevê retenção do veículo e 7 pontos.

(B)- Documentos do veículo : 
O registro obrigatório dos ciclomotores inclui, os seguintes documentos do Detran do seu estado: 
-as taxas de IPVA, 
-Licenciamento e 
-o Seguro Obrigatório (DPVAT).


Os valores são definidos por cada estado. O preço do DPVAT é o mesmo para motos, que era fixado em R$ 292,01 para o ano de 2015.